terça-feira, 2 de setembro de 2014

Começou a palhaçada...


...do ano lectivo 2014/2015.
Vamos lá colaborar nesse fingimento.Nesse faz de conta!
Queridos pais e encarregados de educação:

     Caso pretendam,para fins de limpeza de consciência e diminuição do seu peso,mostrar algum (falso) interesse pelos seus educandos e,simultaneamente,tentar ocultar a educação que não deram (mas tinham obrigação de dar), façam o seguinte: persigam um(a) professor/a,em qualquer ponto do país!!!
     Eles,os professores, estão vulneráveis...E,como toda a gente sabe,são muito unidos.São como os mosqueteiros "um por todos e todos por um"...
     Leiam este livro,de Alexandre Dumas,que conta  a história de um jovem abandonado aos 18 anos.Vai para  Paris e  torna-se membro do corpo de elite dos guardas do rei (mosqueteiros) . Conhece três mosqueteiros - "os inseparáveis"- AthosPorthos e Aramis  e,juntos, enfrentam grandes aventuras (vários anos lectivos).Um romance de capa e espada  que nos ensina conceitos de unidade,lealdade,solidariedade e amizade e que é, várias vezes, associado à luta dos professores.Luta vitoriosa devido,principalmente,a essa tão bem fadada união* 
     Orgulho...Tenho muito orgulho!!!

31 comentários:

  1. Educar não é fácil, talvez... uma das tarefa mais difíceis da vida...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois,mas se todos dessem o seu contributo era mais fácil*

      Eliminar
  2. Sabes que neste país quem tem de 'educar' é a escola, é lá que se recebe a 'educação'!


    Sempre vive num meio pequeno e quando me portava mal ou dizia alguma asneira as pessoas diziam: aí a menina não vai a escola? Vou dizer a sua professora que portou mal!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto de saber que viveste num meio pequeno mas que isso não te limitou...como pessoa*

      Eliminar
  3. Maravilhoso livro e lição de vida...........

    ResponderEliminar
  4. Professor(a) sofre.... e nem acrecento mais nada.

    ResponderEliminar
  5. Tal como noutras profissões há os bons e os maus. E talvez se não tivessem tanto esse espirito corporativo fosse mais fácil separar o trigo do joio.
    O meu interesse na educação das minhas filhas não é falso e não espero que nenhum professor me substitua, aliás dispenso. A verdade é que a faca e o queijo da vida de um aluno na escola continua a depender do professor...para o bem e para o mal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que não percebeste a minha ironia...
      Sobre o teu interesse na educação das tuas filhas...Não duvido!
      A faca e o queijo são do professor?Aonde é essa terra?
      Quem melhor defende os interesses dos alunos são os professores que, muitas vezes,fazem de pais também e levam com a ingratidão dos "verdadeiros" em cima...
      Em todas as profissões há bons e maus.Mas estes são conceitos bastante relativos...

      Eliminar
    2. Não vamos falar de maus professores pois não?!??!?!?!?

      Eliminar
    3. Pelos vistos não. Não vamos falar da palhaçada sem ironias que é ter de lidar com professores ignorantes e mal formados, ter de aceitar a maneira mesmo que obtusa de cada um ser goste-se ou não para que o resultado não se reflita nas notas dos miúdos. Não vamos falar de professores em fim de carreira que começam uma aula a pensar no sofá de casa e a terminam a pensar nas pantufas.
      O conceito é relativo? Só se for para ti. Para mim é bastante absoluto: Há os bons e os maus professores...mas enquanto essa realidade não quiser ser encarada por vocês próprios, aí reside o vosso primeiro erro, o de considerarem que estão sempre acima de qualquer crítica, mesmo quando esta é feita no sentido de corrigir e melhorar.

      Eliminar
    4. Continuas a não perceber...Agora com a agravante das lições de moral!
      Vocês?O vosso erro??????????????????????????
      Eu explicava a relatividade do conceito mas,para quem não quer perceber,é inútil explicar.Ainda por cima tens tantas certezas que até te dás ao luxo de fazer juízos de valor e apontar erros...E depois os outros é que consideram que estão mais acima...Enfim!!!Sugiro que olhes para ti,sugestão dada com a maior educação ,é claro!
      Onde está a crítica no sentido de corrigir e melhorar?A tua não é de certeza... As tuas palavras tem uma intencionalidade maligna,muita presunção e arrogância...Certamente que a culpa é dos ignorantes,mal formados e obtusos professores que tiveste.Tiveste azar!Já eles tiveram imensa sorte em ter uma discente assim tão iluminada como tu...E então,ainda queres falar da ignorância das pessoas?

      Eliminar
    5. Eu então tive 'bué' azar!
      Mas águas passadas não movem moinhos!

      Eliminar
    6. Entendo perfeitamente o que a Suri diz. Eu senti essa lâmina a atravessar e a separar substancialmente toda uma vida de estudo, deixando migalhas. Mas também existem professores que sabem o que é o seu papel como professores. Não sei é se existem POLITICAS que permitam um bom professor o ser como deve ser. São cada vez menos os bons - eu já apanhei poucos - e muitos acabam por fazer como pilates. Algumas instituições não facilitam a vida de ninguém, limitam os bons - alunos e professores, prevalecendo a MEDIOCRIDADE.

      Eliminar
    7. Olá...Eu também entendo perfeitamente o que a Suricate diz,apenas não entendi a agressividade do tom que utilizou!
      Um beijinho de parabéns pela sensatez da tua resposta!

      Eliminar
    8. Respondeste-me na mesma moeda (ou ainda um pouco mais acima), pronto, estamos quites, é justo.

      Eliminar
  6. E eu que pensei que isso só ocorria nesse Brasil de políticos ladrões, corruptos, malcheirosos pelo dinheiro fétido que chupam do povo.....
    Eu sou empresário da educação infantil.... o aluno sai de casa cedo, fica aqui na escola o tempo todo e comete toda a sorte de mal-feitos. Quando repreendemos.... ahhhh os pais aparecem...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois,a desgraça começa aqui na "metrópole"...Infelizmente!

      Eliminar
  7. Sendo os professores "pais" para toda a obra, a unidade,lealdade,solidariedade e amizade, são a única forma de resistir à palhaçada.

    ResponderEliminar
  8. A Suricate tem problemas de ser mal amada

    ResponderEliminar
  9. És professor... tens os encarregados de educação como indivíduos que se «divorciaram» do seu papel de pais e educadores.... te vês como um mosqueteiro, quiçá um Dom Quixote. E se te disser que ambos os lados têm razão e ambos estão errados? O «moinho de vento» está na política e no capitalismo. Faz muito tempo que muitos professores deixaram de o ser e muitas escolas e faculdades deixaram de ter alunos e passaram a ter CLIENTES (ver post fresquinho no blogue).

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo com tudo o que dizes e subscrevo!
      Ambos os lados estão errados e ambos os lados tem razão...A questão importante não é atribuir culpas e responsabilidades,mas sim unir esforços e forças no sentido de ambas as partes desempenharem, da melhor forma,o papel que lhes está destinado!
      O moinho de vento está na mentalidade piquinina dos portugueses,porque é com Portugal que estamos preocupados certo?
      Professores,alunos e pais são seres humanos,em primeiro lugar!
      Cumprimentos também*

      Eliminar
    2. Eu por mim:) baixo a minha espada;)
      "...ambas as partes desempenharem, da melhor forma,o papel que lhes está destinado.." Eu comprometo-me a fazer a minha parte;)

      "Professores,alunos e pais são seres humanos,em primeiro lugar!"

      jinho e boa sorte no ano letivo que agora começa:)

      Eliminar
  10. Adoro o livro - lamento que a versão da Book It tenha vindo com tantos erros ortográficos.
    Realmente a educação em casa é o que mais falta tem feito. Como costumo dizer, sou do tempo em que se tratavam os professores com o maior respeito e que agradecia pelo trabalho que faziam.

    ResponderEliminar

Estás Tilt?