sábado, 4 de outubro de 2014

O homem é estúpido...

Um livro ascendente,além e daí PERFEITO!!!
Além mundo e além coisas do mundo!!!
Os Passos em Volta de um Lugar ao Sol...Só os loucos sabem...Só os loucos atingem a perfeição e a lucidez.Só os loucos chegam ao futuro,no presente...Só os loucos sentem e pressentem o passado...Só os loucos se deixam esmagar...Só os loucos sabem dar...Só os loucos tem sentido,o único sentido!!!
Representam passos,os loucos!Os loucos traduzem-se e fazem do corpo um poema de regresso ao eu...Os loucos tem vertigens psicóticas e vontades caóticas...Os loucos tem...:)
Tem enredos fantásticos e desejos de sonhar...São notáveis e pouco práticos,especialistas em errar!São tão objectivos e românticos na arte de desperdiçar...Uma existência a transbordar enfeitada com poemas de pensar...
Herberto Helder e o poder das palavras e da linguagem associados ao sol* 
...
"Não há raças nem países. O homem é estúpido. E precisa que o amem, precisa amar. Um pouco repugnante, não? Mas pode-se amá-lo, assim repugnante."
...
Um homem divino,em forma de contos,a preencher vazios de alma.Vazios que ficam cheios de tão bem cheirar...Completamente desconexos e descontínuos,como o ser e os seres que temos dentro ou ao lado de nós...Somos descoberta e procura...Somos pontas soltas sem nós!
Somos um ápice...
Somos curtos...
Somos poucos...
Somos absolutamente "nada fantásticos" e fico sempre com a cabeça a estremecer quando me revisito...Quando os meus olhos tocam os meus e me vejo,ou melhor,chego à porcaria de coisa que sou!
E,depois disto,deixo de ter medo por saber tudo e de tudo que não sou!
Só que não...

16 comentários:

  1. Aparentemente um livro de contos, histórias de enredos simples, mas romanticamente transcendentes, representam os passos de um homem em torno da sua existência, sem respostas paradigmáticas, num vazio que se procura transformar em matéria. Sobeja-lhe o corpo, divino, prodigioso e redentor, onde regressa sempre.

    «Talvez pudesse ouvir passos junto à porta do quarto, passos leves que estacariam enquanto a minha vida, toda a vida, ficaria suspensa. Eu existiria então vagamente, alimentado pela violência de uma esperança, preso à obscura respiração dessa pessoa parada. Os comboios passariam sempre. E eu estaria a pensar nas palavras do amor, naquilo que se pode dizer quando a extrema solidão nos dá um talento inconcebível. O meu talento seria o máximo talento de um homem e devia reter, apenas pela sua força silenciosa, essa pessoa defronte da porta, a poucos metros, à distância de um simples movimento caloroso. Mas nesse instante ser-me-ia revelada a essencial crueldade do espírito. Penso que desejaria somente a presença incógnita e solitária dessa pessoa atrás da porta.»

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostas de ler os mesmos livros que eu,já reparei:)
      Bom gosto!!!

      Eliminar
  2. O homem é cada dia mais estúpido se for feio e desinteressante...
    Fica pior ainda.....
    Beijos delituosos!

    ResponderEliminar
  3. Herberto toca-nos sempre a imaginação. Enigmático, desafiador, obscuro.

    Boa tarde, Til

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Herberto inteligente e a inteligência é um desafio!
      Boa tarde,JM*

      Eliminar
  4. Não há raças nem países. O homem é estúpido. E precisa que o amem, precisa amar. Um pouco repugnante, não? Mas pode-se amá-lo, assim repugnante."


    Espero que sim ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizem que o amor é,por si só,repugnante!

      Eliminar
    2. Viciante, repugnante, caloroso, enganador...tantos adjectivos :D

      Eliminar
  5. Prefiro histórias, não livros sobre introspecções.

    ResponderEliminar
  6. Feliz sábado!
    Excelente postagem!
    Abraço
    Nicinha

    ResponderEliminar

Estás Tilt?