domingo, 28 de dezembro de 2014

Receita de ano novo...Carlos Drummond de Andrade*

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?).

Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Ary dos Santos

NATAL É QUANDO UM HOMEM QUISER

Tu que dormes a noite na calçada de relento
Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento
És meu irmão amigo
És meu irmão

O Natal é quando um Homem quiser!

E tu que dormes só no pesadelo do ciúme
Numa cama de raiva com lençóis feitros de lume
E sofres o Natal da solidão sem um queixume
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

Tu que inventas ternura e brinquedos para dar
Tu que inventas bonecas e combóios de luar
E mentes ao teu filho por não os poderes comprar
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei
Fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei
Pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

domingo, 21 de dezembro de 2014

A reciprocidade é uma questão de ética...

E,acrescento,de elegância também!!!
Há por aqui na blogosfera tanto egocentrismo,tanta arrogância,tanta vaidade que me faz imensa aflição...Isto tem a ver com blogues que recebem visitas e comentários e são incapazes de os retribuir.
O que é que estas pessoas pensam que são? 
E depois fazem posts onde revelam grandes preocupações com a humanidade e com a falta de solidariedade...De rir...Nem um pequeno gesto são capazes de retribuir...Deixem de representar e de ser fingidos!!!


Por questões relacionadas com amor (uhum),apenas alguns blogs estão autorizados a não me ligarem um cu e a ignorarem a minha existência.Podem fazê-lo à vontadinha que eu vou continuar a segui-los,a lê-los,a comentar e a devorar.Que se lixe a reciprocidade aqui...




Mas,ó comuns vegetais,isto não se aplica a todos...;)


Também gosto de receber visitas e comentários!
Gosto de dar e de receber.Também*


 Tenho duas mãos e fazem par uma com a outra:)


Perceberam?

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

O segredo do poder é a união*

            A sociedade dos bonobos é completamente matriarcal. Por causa das fortes relações entre elas,dominam completamente os homens;)...É isso*
Vivem-se...
 Mimam-se...
 Partilham na realidade...
 Servem de almofada uns para os outros...
 Dão a mão...
 Os maiores são lençóis...

 Alapam  onde e quando querem...
 Desconfiam dos humanos...
Porque são melhores e mais inteligentes que nós.Muito mais!

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

sábado, 13 de dezembro de 2014

Compras de Natal...

OMG estou que nem posso...
Vejam,vejam,vejam (a repetição é para perceberem o meu entusiasmo).
Reparem na forma...

 Tão bom,tão bom,tão bom  (triplo reforço) andar no meio de pessoas em grandes superfícies comerciais...
Amo esta piaçaba*
 Quando vi estes lenços de papel foi amor à primeira vista.
Agora são meus e meus.
Tudo o que sempre desejei*
 Quando entrei na loja e as vi olharem para mim,pensei "quero tanto" !!!
A minha cor preferida*oh,Deus...
 Eu sei que estas minhas escolhas vos comovem e vos dão alento...
Estes coisos com aquele bâton vão ficar um must (vai ser cá uma coisa)...
Ui*
 Sim,eu sei...Este branco é imaculado.
Já estou a fazer mentalmente a conjugação com aquele casaquinho que comprei muitooooooooooo acima das minhas possibilidades...Ai*
 E vocês já fizeram as vossas comprinhas de Natal?
Olhem,é assim eu não percebo porque vocês não falam com o vosso companheiro.A sério,podiam combinar quem é que vai atingir o orgasmo primeiro...Oh,pensando bem,deixem lá isso.É mais fácil fingir.Ui!!!E em relação à cena das meias,é assim:depende da cor!!!Sabem que,às vezes,temos tudo e não temos nada.Não é?
Mas também não precisam de guinchar que nem porcos,fodassssss...
isto aqui não é um matadouro!!!
Ah e as pestanas postiças?
Já as coloquei,mas depois esfreguei os olhos e saíram todas...Fiquei tão triste que até chorei e depois enfardei-me de doces e depois e depois...
Ai Pilar és o meu pilar (disse Saramago à moça).Isto sim,é literatura!!!
Nice sábado,meus queridos*

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Disseram-me...


És feliz?A sério?É que o teu caráter interativo, extrovertido e alegre é o oposto da norma social daí...(do Minho)*
Ah...
E depois?

Carta...;)

MÃEZONA :
Não chores… Eu prometo telefonar-te várias vezes ao dia. No fim-de-semana telefono mais. Também telefono para me coçares as costas…
Ainda não sei o que vou fazer. Estou indeciso. Só sei que quero ser vendedor…
Vender algodão doce? Mãezona, conversamos tanto sobre isto…
E sobre vender pipocas de várias cores, todas dentro do mesmo pacote? Tu fartaste-te de rir …Até disseste que eu era  ‘tota’…
Também já pensei vender cachorros quentes à saída do cinema. Dizem que as pessoas, depois de verem um filme, ficam com fome…
Ó Mãezona, és a única mulher que me dá valor. Também foste a fabricante eheh…
Olha, eu tive para sair de casa na segunda. Mas não tive coragem. Saí hoje, sexta, porque ao fim de semana posso telefonar mais vezes…;)
Como é que eu faço para lavar a minha roupa? Posso juntar e depois levar aí?
O pai deve estar orgulhoso de mim. Aposto…
Também pensei em fazer-me de estátua, na cidade…Dizem que é uma coisa com futuro! As pessoas são generosas e dão até 50 cêntimos. Assim até posso ajudar-te com as despesas da casa…Que dizes, Mãezona?
Sabes que és a minha mãe preferida?
E a história dos balões? Sempre sonhei vender balões, em romarias…Desculpa eu ter chorado tanto quando aquele balão que me deste, vermelho, ficou preso na árvore, lá em cima. Obrigada por me teres comprado outro. És a maior…
Mãezona, estou aqui ao lado, na casa do mano velho. Já sabes, se quiseres anda visitar-me. Vendo bem, aos 36 anos, já era altura de sair de casa! Não achas, velhota?
Vendo algodão doce, pipocas às cores, cachorros quentes ou balões diversos? Ou faço-me de estátua?
Mãezona acho que vou aí. Não trouxe os preservativos que me compraste…

Já sei que tens saudades… És sempre a mesma! 

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Poder e Prazer.Prazer e Poder.O Poder do Prazer ou o Prazer do Poder.Todos no fundo do poço e ninguém escapava.Homens*

Vagueava pela vida, entre a multidão…Inverteu o sentido da marcha!
Agora era Jeremias Matias.
Multimilionário de Indústrias Farmacêuticas.
Homem de sucesso e capaz de importantes decisões.
Papel principal…
PODER!
08.50H de todos os dias…Entrou no elevador. Andou…Saiu do elevador!
As portas abriram-se para o mundo…
Uma passagem larga forrada com painéis renascentistas com o nome da empresa "Matias", em letras garrafais, em toda a parede. Uma recepção, sala aberta e requintada. Portas de escritório cobriam as paredes e dois departamentos envidraçadas, de conferência, em ambos os cantos da grande área. Havia uma sensação de ‘mundo’, madeiras nobres e destaques em ouro misturados com iluminação moderna e várias obras de arte.
Mundo dos negócios!
Todos os dias chegava ao poleiro à mesma hora, impreterivelmente!
O seu escritório ficava no último andar de um grande edifício.
Impecavelmente vestido.
Adequado.
Terno e gravata.
Respirava poder…
Hoje o dia era importante.
Dia de rescindir vários contratos de trabalho temporários…Era dia de entregar cheques e lacrar vínculos. Era dia de colocar pessoas no desemprego. As decisões sobre demissões são semanais. Gostava de assinar essas directrizes… Missão cumprida!
Em viagem…
De Limusina para o aeroporto de voos privados para ricos e influentes….
Enquanto cruzava o oceano, rabiscava apontamentos com caneta de prata.
Chegada ao outro aeroporto de voos para ricos e influentes…
Limusina…Hotel…Suite…
O interior da suite era incrível e espalhafatoso.
Espelhos dourados e prateados.
Pinturas.
Candelabros de ouro e cristal.
Molduras cheias de rococó.
Filigrana em cada canto.
Paredes ilustradas com tapeçarias valiosas.
Na banheira de porcelana estava Ela, sua ‘secretária pessoal’.
Afundada na água quente.
Banho de espuma.
Fragrância sem estima e limão doce.
“Quero-te aqui agora”…
Palavras de comando de quem quer ser obedecido.
“Veste isto”…
Corpete de cetim branco…Puro!
“Deita-te e fica quieta”…


O PODER do PRAZER!