segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Carta...;)

MÃEZONA :
Não chores… Eu prometo telefonar-te várias vezes ao dia. No fim-de-semana telefono mais. Também telefono para me coçares as costas…
Ainda não sei o que vou fazer. Estou indeciso. Só sei que quero ser vendedor…
Vender algodão doce? Mãezona, conversamos tanto sobre isto…
E sobre vender pipocas de várias cores, todas dentro do mesmo pacote? Tu fartaste-te de rir …Até disseste que eu era  ‘tota’…
Também já pensei vender cachorros quentes à saída do cinema. Dizem que as pessoas, depois de verem um filme, ficam com fome…
Ó Mãezona, és a única mulher que me dá valor. Também foste a fabricante eheh…
Olha, eu tive para sair de casa na segunda. Mas não tive coragem. Saí hoje, sexta, porque ao fim de semana posso telefonar mais vezes…;)
Como é que eu faço para lavar a minha roupa? Posso juntar e depois levar aí?
O pai deve estar orgulhoso de mim. Aposto…
Também pensei em fazer-me de estátua, na cidade…Dizem que é uma coisa com futuro! As pessoas são generosas e dão até 50 cêntimos. Assim até posso ajudar-te com as despesas da casa…Que dizes, Mãezona?
Sabes que és a minha mãe preferida?
E a história dos balões? Sempre sonhei vender balões, em romarias…Desculpa eu ter chorado tanto quando aquele balão que me deste, vermelho, ficou preso na árvore, lá em cima. Obrigada por me teres comprado outro. És a maior…
Mãezona, estou aqui ao lado, na casa do mano velho. Já sabes, se quiseres anda visitar-me. Vendo bem, aos 36 anos, já era altura de sair de casa! Não achas, velhota?
Vendo algodão doce, pipocas às cores, cachorros quentes ou balões diversos? Ou faço-me de estátua?
Mãezona acho que vou aí. Não trouxe os preservativos que me compraste…

Já sei que tens saudades… És sempre a mesma! 

12 comentários:

  1. Que sorte tens tu, que sorte tem a tua mãe. Nunca escrevi uma carta à minha mãe, hoje já não vou a tempo de a escrever. Espero que um dia as minhas filhas, quando adultas me presenteiem assim, dessa maneira tão bonita.
    Gosto de balões coloridos, e gosto de ti, Til:)))
    Bem hajas rapariga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sandra é uma carta imaginária de um filho a uma mãe.Mas,pensando bem,podia ser minha porque eu sou uma filha completamente dependente.Assumo essa dependência e gosto imenso dela.Gosto de depender das pessoas,afectivamente falando (homens à parte)...;)E sim ainda tenho mãe:))))))))))))))))))))))
      Também gosto de ti,é química...
      Um beijinho*

      Eliminar
  2. O que é preciso é "bater punho"! :P

    Beijinhos Marianos, Til! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria eu não conheço essa expressão :(
      Beijinhos de volta*

      Eliminar
  3. Também tinha pensado que seria uma carta imaginária :) Adoro a minha mãe, já lhe escrevi postais ou diplomas de dia da mãe, mas acho que nunca lhe escrevi uma carta...

    ResponderEliminar
  4. Tens sorte em escrever uma carta assim...eu é à máquina, bato por letra...esta coisa das cartas está em voga...não achas?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim,sim há muito pessoal a escrever cartas e a bater letras;)

      Eliminar
  5. Quando Mãezona é uma forma ternurenta (ainda mais) de dizer Mãeezinna. :)

    ResponderEliminar

Estás Tilt?